O Cartaz; Diferentes géneros, diferentes finalidades

De acordo com o historiador francês Max Gallo, “há cerca de duzentos anos que os cartazes têm sido exibidos em locais públicos por todo o mundo. Dotados de grande impacto visual, os cartazes foram desenhados para atrair a atenção dos transeuntes, tornando-nos conscientes de um determinado ponto de vista político, seduzindo-nos para assistir a um acontecimento específico ou encorajando-nos a adquirir um determinado serviço ou produto. Contudo, o cartaz moderno tal como o conhecemos, surgiu cerca de 1870 quando a indústria das artes gráficas aperfeiçoou a litografia colorida, tornando a impressão colorida em grandes tiragens, possível e economicamente acessível.” (1)

O  cartaz hoje

Nos dias de hoje, a acessibilidade maciça a meios informáticos torna cada vez mais simples a possibilidade de criar e imprimir cartazes. No entanto, o cartaz, devido a essa mesma disponibilidade tecnológica, tem vindo a perder terreno relativamente a outros meios de divulgação de natureza gráfica; primeiro a televisão e agora a internet. A cartaz, contudo, mantém ainda uma certa aura de magia e é insubstituível em muitas circunstâncias como meio de divulgação acessível e simples, um meio ao qual muitos designers talentosos da era informática ainda dedicam o seu esforço criativo. Para um texto mais aprofundado sobre a cronologia histórica do cartaz, ler: O Cartaz; Cronologia Histórica Resumida.

Os géneros e as finalidades

Podemos definir quatro grandes áreas de acção quanto à finalidade dos cartazes; Comercial, Ideológica, Divulgação de eventos e Informativa. Esta divisão não é contudo estanque. Um cartaz que publicita um concerto, por exemplo, poderá não ser apenas um cartaz de divulgação de um evento; é também um cartaz comercial se o ingresso não for gratuito… Deste modo devemos falar, na maior parte dos casos, em cartazes maioritariamente deste ou daquele género e não unicamente de um só género. Assim, um cartaz comercial engloba os cartazes publicitários que informam e incitam à compra de um bem ou serviço.

© Alphonse Mucha, Nestlé. S.d.      © Collin J.-Máq barbear Philips. 1955      © Willem Gispen-Lâmpadas Giso. 1928

Um cartaz ideológico pode também englobar muitos casos diferentes; desde um cartaz de propaganda política até aos cartazes de sensibilização cívica, passando pelos cartazes motivacionais. Pretende-se com estes cartazes levar o destinatário a modificar ou acentuar padrões de comportamento e atitudes, podendo as intenções dos seus promotores ser as mais variadas (da bem intencionada consciencialização até à não-tão-bem intencionada manipulação).

Anónimo(?) Proíbam os movimentos nazis! S.d.           © Jean Carlu, Production. 1941

Um cartaz de divulgação de eventos, tal como o nome indica, anuncia que um determinado evento, cultural, científico, desportivo ou outro, irá ocorrer num determinado lugar a uma determinada data/hora, convidando o espectador a assistir e a participar nele.

© José Maria Olbricht, Asilo de artistas em Darmstad. 1901     © Reza Abedini, Bridge. 2007

O cartaz informativo destina-se maioritariamente a divulgar informação válida para um período de tempo longo; Pode ter como tema as instruções de preenchimento de um impresso, os procedimentos de funcionamento de um determinado objecto ou a explicação de uma orientação geográfica ou sinalética.

Autor desconhecido, Reconhecimento de Aeronaves. 1916

Texto: © António Marques/ Sala17

Lista de designers gráficos (forçosamente incompleta) que desenvolveram trabalho na área do cartaz (1)

Designers gráficos contemporâneos

(1) – Fonte: Wikipédia

About these ads