O génio de Velázquez (1599-1660)

“As variedades de luz directa e reflectida em Las Meninas são quase ilimitadas e o artista como que nos desafia a descobri-las; espera de nós que relacionemos a imagem reflectida no espelho com os quadros na mesma parede e com o “quadro” formado pelo homem no limiar da porta.. Velazquez não podia conhecer a obra de Vermeer, pois este tinha então vinte e quatro anos, mas é possível que tenha visto cenas do género doméstico por pintores holandeses mais velhos. No entanto, a técnica de Velázquez é muito mais variada e subtil, com delicadas velaturas que fazem sobressair os empastes dos reflexos…” “Velázquez não parece interessado em surpreender o momento; o seu propósito não é mostrar figuras em movimento, mas o movimento da própria luz e a infinita gama dos seus efeitos na forma e na cor. Para Velázquez, a luz cria o mundo visível. Só dois séculos mais tarde encontraremos pintores capazes de entender as implicações desta descoberta…”

H.W. Janson – História da Arte

Infanta Margarida Teresa, 1660

Infanta Margarida Teresa, 1660

Vénus ao espelho, 1647

Vénus ao espelho, 1647

Retrato de homem, 1622

Retrato de homem, 1622

Papa Inocêncio X ,1660

Papa Inocêncio X ,1660

O Bobo Sebastián de Morra, 1645

O Bobo Sebastián de Morra, 1645

O barbeiro do Papa, 1650

O barbeiro do Papa, 1650

A coroação da Virgem, 1635

A coroação da Virgem, 1635

A rendição de Breda, 1635

A rendição de Breda, 1635

Auto-retrato, 1645

Auto-retrato, 1645

Las Meninas, 1656

Las Meninas, 1656

© António Marques/ Sala17 – 2015/2016